Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


 

 

Antes de qualquer outra coisa tenho que clarificar que hoje estou que nem posso desde que percebi que uma das minhas tias me bloqueou no faicebuque e ainda hei-de descobrir-lhe a palavra chave para ir lá pôr uns posts no mural dela porque hoje, e só hoje, estou com um pó às beatas que o melhor é nem se aproximarem de mim! Foi isso e foi a Rosalina que assim sem mais me pergunta porque é que nunca mais fiz um jantar com a Lídia e eu vai e fiquei lívida porque esse nome não se deve pronunciar nas minhas redondezas e ela devia saber isso tão bem como todas as outras fufas aqui da zona que se me vêem dum lado e essa galdéria do outro fazem assim uma espécie de barreira para que eu nem dê por ela se não passo-me! Mas depois lembrei-me que a Rosalina coitada já não vai para nova e aquilo deve ter sido como que um grito de socorro das suas agonizantes celulazinhas neuronais e por esta não a fiz pagar caro, mas santa paciência e mais às fufas de meia idade que se esquecem de tomar o memofante!

 

E se as caras leitoras se estão a interrogar quem será essa tal de Lídia pois que foi uma ex-colega minha com quem tive um caso tórrido até descobrir que ela era casada! Nunca tinha conhecido uma pessoa assim, mentia com quantos dentes tinha, e dizia-me que era solteira e que nunca tinha estado com ninguém antes mas que desde sempre se tinha sentido atraída por mulheres. E eu parva fui na conversa daqueles olhos de amêndoa doce e o decote perfumado que tão bem acompanhava o resto do pacote. Até ao dia em que a Lídia teve uma quebra de tensão muito forte e estava eu assim a abaná-la com as fotocópias dos trabalhos dos meninos quando oiço nos megafones da escola uma voz a dizer "D. Lídia chegou o seu marido" e pumba, já foste! As mulheres em querendo são más como as cobras é o que vos digo!

 

Mas não era nada disso que queria partilhar hoje convosco! Queria contar-vos que esbarrei-me com uma dessas fufas da era antiga e lembrei-me que são elas que dão má fama às mulheres portuguesas no geral e às fufas em particular. Não posso deixar de referir que ela pertence a esse Clube infame que é o da Brandoa, sim porque as fufas aqui da Rinchoa não têm nada a ver com essas e somos pela cor, pela vida, pelo amor e por todas  as coisas boas e bonitas da vida pós-moderna!

 

Porque é que há mulheres que se deixam desleixar a este ponto pergunto-me?

 

Ele é o cabelo, assim curto e escorrido, e muitas vezes grisalho que tintas para elas são as da Cin e mesmo assim só primários incolores! Não digo que gastem horas a aplicar extensões ou a fazer madeixas, eu bem sei o tempo que a Micaela passa a arranjar-se, até perde mais tempo com ela que com as clientes, mas daí a dizerem ao mundo que todas as fufas têm cabelo de rato pelado vai uma enorme distância e é nisso que devíamos investir, nos cabelos senhoras, os cabelos são o vosso cartão de visita, e se quiserem melhorar esse vosso visual é só dizerem porque a Micaela faz-vos uns descontos muito bons lá no salão e ainda vos oferece um cafézinho enquanto esperam pela vossa vez.

 

Ele é os dentes, ou a falta deles. Senhoras, hoje em dia há tantos seguros que por meia dúzia de tostões vos garantem um lugarzinho numa magnífica cadeira de dentista. É preciso ter um certo critério na escolha, é verdade, porque tenho ouvido umas histórias como aquela do Osvaldo careca que quis arranjar os dentes para o casamento do filho mas como o orçamento não dava para tudo falou com uma prima estagiária que lhe fez o servicinho quase de borla mas depois no casamento ao dar uma trinca na sandes de leitão vieram os dentes todos atrás e ele amaldiçoou o momento em que decidiu alugar a charrete para transportar os noivos em vez de ter investido a sério na dentadura. Portanto como digo, os dentes todos no sítio, e todos direitinhos e branquinhos, é meio caminho andado para serem cumprimentadas com um sorriso, que poderão retribuir sem medo. Será por isso que as fufas pré-modernas são tão macambúzias? Terão vergonha dos buracos dentários que a vida madrasta ou uma namorada mais agressiva lhes terá infligido? Se for esse o caso, minhas amigas, ponham uma pedra no passado! Actualizem-se, abram os vossos brousers e escrevam "substituição total e imediata de dentes partidos ou perdidos". Vão ver como um admirável mundo novo se abrirá perante os vossos olhos incrédulos!

 

Ele é a pele, ó senhoras com tantas lojas do Boticário espalhadas por esses shoppings fora, com tantas meninas brasileiras dispostas a fazerem-vos testes cutâneos à borla, por amor de quem sois, já está na hora de começarem a tratar da vossa cútis oleosa e envelhecida! Para além dos cabelos e dos dentes, uma pele tonificada e bem cuidada diz muito sobre nós, que somos mulheres e gostamos muito de nos cuidarmos tanto ou mais do que as outras, até porque os homens não ligam grande coisa à aparência das mulheres e nem sabem distinguir um creme para os pés dum creme esfoliante. Não se iludam minhas amigas, as mulheres cuidam-se por causa das outras mulheres, e esse é o grande segredo das brasileiras e é por isso que elas agradam duma forma tão transversal , a novos e a velhos, a homens e a mulheres, a todos elas cativam com a sua graça e o seu charme e a imensidão de horas que passam em salões de estética a esfoliarem-se, a depilarem-se a massajarem-se, lá está, a gente vai por um caminho e vê logo que é um mau caminho mas digam lá que não gostam?

 

E por favor não me façam falar dos pelos! Nas pernas, nas axilas e nas virilhas é logo morte súbita e fim de jogo imediato! As mulheres têm que andar sempre depiladas e ponto final. Não há desculpa absolutamente nenhuma para não o fazerem, nem sequer a falta de tempo porque se têm tempo para levar o Tinoco à manicure canina também têm tempo para levar as vossas perninhas ao salão da Micaela!

 

Ia agora falar da roupa mas reconheço que nesse campo perco-me um bom bocado porque não sou daquelas fufas fashionistas e nem sequer tenho grande gosto para os trapos. Sei do que não gosto, de camisas largas e calções, calções por safo! Antes túnicas, agora calções! Calções é para putos, daqueles ranhosos e lingrinhas, não para mulheres! E camisas largas é para disfarçar obesidade e não para esconder o que de melhor têm as mulheres! Se não gostam de ter seios, se não gostam de os mostrar, o melhor é consultarem um especialista. Não há mulher que seja mesmo e intimamente no fundo feminina que não goste de ter e de ver um bom par de mamas. Pequenas ou grandes desde que sejam exibidas com orgulho, é o que queremos, pedimos, pelamo-nos para ver e já estou de novo naquele mau caminho, que agora é muito perigoso porque a Cátia não gosta que eu escreva sobre estas coisas, enfim!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:30

Let's talk about sex

por Lucelia, em 23.03.14

 

 

Reparei no outro dia que vinham aqui parar leitores à procura de "sexo na Rinchoa". Eu sinceramente gabo-vos a paciência porque sexo por estes lados é coisa que não há quase nunca embora ultimamente não me posso queixar muito porque a Cátia não paga renda mas em troca faz-me umas massagens que me põem como nova enquanto o diabo esfrega um olho, ou se calhar dois, porque ele não deve gostar muito de ver estas cenas entre nós, sim porque o diabo tem toda a pinta de ser gay empedernido daqueles que não pode sequer ver uma mulher vestida quanto mais nua!

 

Bom mas passando ao assunto em epígrafe queria aqui exemplificar porque é que as mulheres no geral têm significativamente menos sexo do que os homens, sendo que o problema agudiza-se no caso das lésbicas e passo a explicar o porquê.

 

Ora então imaginemos dois gays que estão com vontade de ir para a brincadeira. No meu entender a conversa seria algo do género:

 

G1: E então o Benfica? Aquele Cardozo não anda lá a fazer nada não achas?

G2: Acho. Vamos foder?

G1: Vamos!

 

Já se forem duas lésbicas a coisa irá passar-se da seguinte forma:

L1: As gatas da Salomé hoje não me deixaram dormir.

L2: Eu não dei por nada, tu é que estás sempre a implicar com as gatas.

L1: Tens que ir apanhar a roupa, ouvi dizer que hoje ia chover.

L2: Que mania tens tu de me mandar fazer coisas, eu não sou tua empregada!

L1: Não és mas também bem podias contribuir já que não me pagas renda nem nada.

L2: Estás sempre a atirar-me isso à cara, pois fica sabendo que eu já contribuí e muito! Só eu sei o que te aturei no passado!

L1: No passado eu não me importava em ter-te comigo, agora é um martírio!

L2: Ai é? E então aquilo que me pediste para te fazer ontem foi exactamente o quê?

L1: Que inconveniente que tu és! Estás sempre a aproveitar-te dos meus momentos de fraqueza!

L2: Da próxima vez vou fingir que nem te ouvi!

L1: Não sejas assim, sabes que eu reclamo mas depois até gosto vá.

L2: Não, nem penses! Estou farta de levar patadas, eu não nasci para ser saco de porrada de ninguém e muito menos duma fufa de meia idade que já não vai para nova e não tem onde cair morta!

L1: Anda cá que eu preciso de te mostrar uma coisa.

L2: Agora não vou, nem que me pagasses!

L1: Eu prometo que não volto a gritar contigo.

L2: Isso é que era bom, não volto a cair nas tuas falinhas mansas.

L1: Raça de mulher teimosa, mas quem me manda a mim meter-me com miúdas mais novas, é sempre uma carga de trabalhos!

L2: É pois, mas depois até gostas!

L1: Gosto! Pois gosto! É a minha maior fraqueza gostar de lambisgóias e se não fosses tão mula vinhas agora aqui e davas-me um beijo!

 

Por isso caros leitores vos digo que por vezes até há sexo na Rinchoa sim senhora mas por vezes temos que dar tantas voltas até lá chegar que só sendo muito paciente e mesmo assim! E caras leitoras antes de andarem por aí a dizer que os homens são uma carga de trabalhos que se calhar era mais fácil terem relações com mulheres eu digo-vos já para esquecerem! As mulheres são dez vezes piores! Minto, mil vezes piores! Não ouvem, e quando ouvem fingem que ouviram coisas que não dissemos e depois vêm com aquela coisa dos "subentendidos" porque nós dissemos que o casaco era verde mas elas acharam que tínhamos dito que era rosa e começam logo a embirrar com as cores e a partir daí embirram com tudo o resto. Se somos mais cheiínhas começam logo com os suspiros que devíamos ir ao ginásio e "não é que sejas gorda" mas "estás muito desleixada" e é um ver se te havias até nos inscrevermos num ginásio onde não fazemos intenção de pôr os pés mas é só para não nos chatearem mais a mioleira.

 

Sobre os cabelos e as unhas então nem vou falar disso! E a roupa? Sim sim, pensam que uma mulher olha para outra e vê alguém bem arranjada e elogia? Isso é que era bom! É logo "esse casaco era da tua tia Felismina?" e que não se usa há mais de cinquenta anos, mesmo que a gente jure a pés juntos que o comprámos no ano passado, tá bem que foi numa feira de artigos usados que costumam fazer na Brandoa, mas tinha ar de novo o raio do casaco!

 

De maneiras que é assim, as relações com mulheres são uma verdadeira dor de cabeça que nem lembra ao diabo! Aliás ele deve é estar a rir-se de mim, e de todas as fufas da Rinchoa e arredores porque o que mais vai por aqui é confusão e da grossa, andamos todas de candeias às avessas umas com as outras porque desde que a Cátia se veio enfiar cá em casa as outras recusam-se a vir cá e cada vez que me vêem na rua viram-me a cara, como se eu tivesse cometido algum crime!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:37

Manias das fufas - as éxes

por Lucelia, em 15.12.13

 

 

 

Lembram-se da série L Word em que havia uma que era a Alice e que tinha assim um quadro onde punha todas as ligações entre as lésbicas lá do sítio e havia umas que pareciam umas estrelas tal era a quantidade de pauzinhos que saíam delas em direcção às outras? Cá é igual, as fufas acabam todas por se relacionarem umas com as outras ao longo do tempo porque somos poucas e acaba por não haver assim grande escolha. Atenção porque eu não acho mal que isso aconteça, pode não ser muito saudável mas é normal dada a reduzida dimensão da nossa população sáfica. O que me encanita são aquelas que mal acabam uma relação querem logo ser as melhores amigas no dia seguinte como a Micaela que já estava farta da Nilda e vai e diz-lhe que está tudo acabado entre elas e no segundo seguinte ah e tal mas queres vir comigo ao concerto da Ana Carolina porque não me apetece ir sozinha e já comprei dois bilhetes? E a outra feita parva vai e diz que sim, enfim esta parte eu até percebo porque a Nilda pode ter esperança de voltar para a Micaela, mesmo sabendo que ela lhe põe os cornos a torto e a direito que aquilo é uma vergonha, e caso não volte a partilhar a cama dela ao menos sempre vai à Ana Carolina o que é um bom prémio de consolação.

 

A Zefa também tem a mania de ficar amiga das éxes todas e faz churrascadas lá em casa com elas só que aquilo dá sempre confusão porque aquela mulher parece que faz as pessoas revelarem o melhor e o pior que há em si, não sei se será da testosterona, e elas engalfinham-se sempre todas e ah e tal eu é que fui a que ela gostou mais porque ela a mim disse que me amava cento e vinte e três vezes, e a outra o que é que isso tem de especial palavras leva-os o vento ela a mim deu-me um anel de brilhantes e as outras todas a rirem-se porque tá na cara que o anel veio do chinês e aquilo acaba sempre com os vizinhos a chamarem a polícia porque aquilo é um prédio de gente decente e só não expulsam de lá a Zefa porque foi ela que lhes vendeu o apartamento e até lhes fez um desconto muito jeitoso e bem maior do que qualquer outro agente imobiliário porque ela é mesmo assim, consegue sempre o que quer.

 

Eu quando acabo as minhas relações peço sempre um tempo porque quanto mais não seja por alguma razão eu quis nunca mais ver aquela mulher à minha frente, e nos casos piores tenho mesmo ganas de as esganar, portanto para não cometer um crime o melhor é mesmo que se afastem durante uns tempos se não quiserem acabar às postas enfiadas na arca congeladora da cave lá de casa. Depois esses instintos passam, e a gente até se esquece porque é que um dia andou atrás dela com um facalhão na mão, e ligamos e dizemos que queremos encontrar-nos com ela e inventamos uma desculpa parva tipo ficaste-me com um casaquinho de malha da quebra-mar que me custou os olhos da cara, esta parte não digo, e eu tenho saudades dele e quero-o de volta. E sob pretexto de reaver uma peça que nos é querida vamos tomar um café e a partir daí passamos então à fase da amizade e é assim que se fazem as coisas de forma civilizada.

 

Só com esta última relação que tive, com a Cátia, é que não demos tempo nenhum porque eu pu-la fora de casa num dia e no outro ela já lá estava outra vez enfiada porque tivemos reunião do Clube e era indecente da minha parte não deixá-la participar nesta iniciativa tão importante para as fufas da Rinchoa. A verdadeira razão porque estou a escrever este texto sobre as éxes é porque a Cátia quer ir comigo passar o Natal à terra das minhas primas e eu até preferia ir com ela para não ir sozinha o caminho todo a aturar as parvoíces das minhas primas. E depois também porque tenho pena dela porque ela não tem ninguém neste mundo porque quando ela disse aos pais que era lésbica o pai disse-lhe que não queria saber disso para nada e que ela tinha que se casar com o primo Joaquim na mesma porque ele era dono dumas terras no Norte que os pais dela andaram toda a vida a cobiçar porque queriam lá fazer uma casinha quando se reformassem. Aquilo foi uma escandaleira danada porque ela desatou aos gritos a dizer que isso era no tempo da outra senhora que mesmo que fosse lésbica tinha que se casar com quem o pai mandasse, porque agora as lésbicas tinham direitos e ele não podia obrigá-la a casar com o Joaquim que aquilo para ela era o mesmo que a obrigasse a enfiar um copo de uísque no c.., assim com as letras todas. O pai ficou muito vermelho e desata a dizer que ela não é filha dele e vira-se para a mãe dela a dizer que a partir de agora ela não entrava mais lá em casa e a mãe muito aflita porque parece que quando casou já vinha grávida e ele foi muito bonzinho com ela na altura e aceitou-a naquele estado e mais uns quantos contos de réis que o pai dela lhe passou para as mãos para ficar de bico calado mas com isto tudo a Cátia foi posta fora de casa e a partir daí foi como se não tivesse família, ou por outra, a família dela somos nós as amigas que temos que ser umas para as outras e é por isso que eu ainda não sei se aceito que ela vá comigo passar o Natal porque eu sei que ela ainda tem sentimentos por mim e ali no meio da serra, com o frio que para lá está por esta altura, temo não resistir ao calor do seu corpo e à habilidade das suas mãos. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:14

 

Enquanto andamos para aqui a discutir para que serve o nosso clube eu vou metendo umas buchas sobre certas manias que me enervam um bom bocado e que elas estão sempre a dizer que eu é que sou assim que tenho manias de perfeição mas é mentira porque eu tenho dois olhos na cara e sei bem ver as coisas como são.

 

Uma das manias que mais me tiram do sério é aquela de acharem que toda a gente lhes quer mal, a começar pelas benditas das freiras lá dos colégios onde andaram na mais tenra infância. Ora eu que nunca andei num colégio de freiras não percebo esta mania de acharem que o mundo está contra elas e deve ser por isso que não ganham o euromilhões porque se tivessem lido o Segredo percebiam logo que o que cá se faz cá se paga! Pois se uma pessoa entra num estabelecimento comercial logo com ar de poucos amigos a achar que vai ser enganada e tem que conferir o troco pelo menos umas três vezes e ainda pedir factura com número de contribuiente para obrigar o pobre do indiano ali da esquina a ter que instalar as traquitanadas todas que as finanças agora exigem, pois claro que assim não arranjam amigos, muito pelo contrário!

 

A Zefa que é assim aquela mais directa começa logo por dizer que mais vale prevenir que remediar e então com ela é sempre tudo à bruta! É que não dá sequer hipótese que ao mínimo sorriso acha logo que se estão a meter com ela e começa logo a disparatar e ós ouça lá! Para onde é que está a olhar? Nunca viu uma fufa é?

 

Enfim, eu bem lhes digo que a pessoa tem que ser discreta e simpática e eu bem sei o que passei na vida e não precisei das freiras para perceber que a maldade reside em todo o lado, mesmo nos mais insuspeitos. Os meus pais eram pessoas modestas, ele mecânico e ela dona de casa mas que ia dando um jeito por fora sempre que lá iam as vizinhas levar trapos e roupas para fazer bainhas. Com muito esforço tiveram o casalinho da praxe e durante algum tempo parecíamos mesmo uma família de novela, se bem que o meu irmão chorava muito mais do que eu e muito mais depressa se agarrava às saias da minha mãe. Eu era enfezadita, isto foi antes das crianças desatarem a tomar vitaminas e suplementos a torto e a direito, mas quem me dava levava, nunca me fiquei, mesmo quando o Toninho que era uns bons 20 cm mais alto que eu me deu um encontrão tão grande que por pouco não fiquei sem um braço. E ele ficou-se a rir o palhaço, mas não por muito tempo porque eu agarrei num tronco e dei-lhe uma canelada tão grande que ainda hoje me parece que ele coxeia ligeiramente!

 

Os meus pais deviam ter logo percebido que havia ali qualquer coisa estranha, mas eram gente simples e na altura não se prestava muita atenção às crianças. O meu irmão Fabrício só se dava com meninas e eu com rapazes. Era eu que acompanhava o meu pai nas tardes de férias, que ia com ele para a oficina e o ajudava a afinar os motores dos carros. O meu irmão ficava verde só de pensar naquele óleo a escorrer por todo o lado e a sujar-lhe os calções axadrezados de que ele tanto gostava. Mas só muito mais tarde é que os meus pais perceberam o que se passava quando o meu irmão resolveu contar-lhes que era homossexual desde sempre e que se quisessem netos que os fossem pedir a mim! Foi aí que eu resolvi calar-me bem caladinha porque assim como assim o choque inicial estava dado e quando fosse a minha vez de me chegar à frente, sim porque eu também desde sempre soube que era lésbica, eles já iam estar habituados à ideia de em vez de netos terem gatos.

 

Com tudo isto eu podia ter ficado assim como algumas, de mal com a vida e com o mundo, mas não fiquei porque ninguém tem culpa do meu irmão ser parvo! Não por ser homossexual, isso é lá com ele, mas pela forma como disse aos meus pais que a culpada era a mãe e que agora ia para fora e que se amanhassem cá sozinhos que ele ia viver a vida dele bem longe de nós. Está uma pessoa a criar um filho uma vida inteira para chegar a isto! É o que eu digo, somos irmãos e lá nos falamos no skype quando ele faz anos, ou eu, e às vezes no Natal mas nem sempre que as linhas ficam congestionadas e depois vê-se a pessoa toda aos quadradinhos e parece que só nos chegam cá metade das palavras! Eu da primeira vez ainda reclamei mas o rapaz do atendimento lá me disse que nesta altura do ano os técnicos eram poucos para tanto serviço mas que eu ficasse descansada porque me iam mandar alguém a casa. Até hoje! E eu claro, não voltei a ligar porque entretanto recebi a factura e percebi que as chamadas para o atendimento são pagas!

 

Com tudo isto os meus pais até se podiam ter revoltado contra mim, mas acho que nessa altura já estavam por tudo e eu até era boa filha, fazia-lhes companhia e nunca lá meti desordeiros em casa! Só não gostava das visitas que o padre fazia à minha mãe, ia lá consolá-la pela perda do filho, mas aproveitava sempre para lhe pedir uma ajudinha para as obras do telhado da igreja! Não sendo má pessoa, o padre naturalmente não gostava de mim porque desde muito cedo deixei de ir à igreja. E olhem que na altura isso era muito mal visto! E é isso que eu digo às minhas amigas, vocês até parece que agora vivem pior que dantes! É que há uns anos ser-se fufa era logo para pôr uma pessoa a olhar para nós com ar horrorizado! Agora não! Agora uma pessoa diz que marido não senhora não tenho porque sou lésbica e dizem-nos logo ahh que interessante e tem mulher em vista? E está a pensar casar-se? Casar ouviram bem! Alguma vez na minha vida eu ia pensar que as lésbicas se podiam assim casar umas com as outras! Já não bastava as cerimónias dos anéis de compromisso que era assim tudo feito às escondidas em vãos de escada e eu lembro-me até duma vez que a Zefa ficou trancada dias a fio porque tinha combinado com uma namorada da altura ir ter com ela e a outra atrasou-se e vai a contínua e fecha aquilo assim tudo à chave e a Zefa bem que gritou e esperneou e quando finalmente deram por ela jurou-me que nunca mais se metia noutra e até a Zefa, imaginem, está a pensar casar-se e desta vez vai ser ali no Rouxinol e tudo porque a mãe dela já está meio patareca mas gosta de festas e anda de tal forma animada que ninguém tem coragem de lhe dizer que aquilo é uma festa de casamento entre duas mulheres.

 

Por isso é que eu digo, hoje está tudo tão diferente que só as fufas é que parece que pararam no tempo e continuam a achar que o mundo se uniu para as tramar. Olha na próxima reunião do clube vamos debater o tema porque acho que elas precisam de arejar as ideias, entrar no século XXI assim para a frente é que é o caminho e as coisas estão-se a compor!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:55


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D


Links

Linques úteis