Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Coisas assim assim da net

por Lucelia, em 15.05.14

 

 

Há umas mulheres que escrevem na net e nos mostram como dizer uma coisa e o seu contrário num só parágrafo de tal forma que o leitor incauto chega ao fim do texto e não percebeu patavina daquilo que leu. Como exemplo poderia ser o parágrafo seguinte.

 

"Esta tem sido uma semana de emoções fortes e contraditórias. O caminho tem-se feito caminhando, mas sempre dando conta do recado, tentando sempre rodear-me das pessoas que me amam e que eu mais amo porque sem elas nada disto faria sentido e só faz sentido porque elas estão comigo e fazem-me sentir a pessoa mais sortuda do universo. A verdade é que a vida se faz por ciclos e se ontem tudo parecia descarrilar hoje o sol brilhou e está tudo mais bonito e verdejante com uns apontamentos de cor que nos aquecem a alma e aligeiram o coração. E isto porque a vida ou o próprio destino se encarrega de nos mandar sempre as respostas certas mesmo que por vezes não sejam aquelas que esperaríamos que fossem. É assim que o mundo volta à sua serenidade depois de pequenas tempestades que temporariamente nos toldaram a visão e nos fizeram pôr em causa muitas coisas que hoje já voltaram aos seus devidos lugares e às quais damos muito mais valor depois de tudo pelo que passámos. Temos que aceitar, ser humildes e voltar a olhar para a vida como se fosse pela primeira vez, como uma criança acabada de nascer e que abre os olhos e vê o rosto da sua mãe pela primeira vez e ambas sabem que começa ali uma jornada cheia de desafios mas também repleta de alegrias e vivências em família que as irão tornar pessoas melhores e mais fortes." Irra que nervos!!!

 

Não digo que algumas mulheres não sintam necessidade de extravasar o seu lado poético-fofucho e vai de encher páginas e páginas de lugares comuns e expressões de nos levar ao vómito (por favor nem me falem da tranquilidade que nasce depois do caos!) mas eu que sou uma pessoa que gosto de perceber as coisas leio aquilo tudo e fico sem perceber o que se passou com a fulana! Parece que faltam ali pontos nos i’s e eu quero saber porque é que a coisa descarrilou! Imagino logo que foi a criancinha que lhe deu um fanico e vomitou-se toda para cima dela depois de ter passado duas horas e tal a maquilhar-se e a transformar-se em borboleta qual crisálida que sai do casulo e assim que dá o primeiro voo da manhã, pumba, leva com um jacto de vómito verde em cima e claro que com uma camada de dejectos dessa natureza nas trombas uma pessoa não vê nada, nem luz nem cor nem sol nem porra nenhuma! Mas depois de um bom banho é natural que a pessoa se sinta melhor e veja a vida com um olhar renovado, quanto mais não seja tudo lhe parecerá mais limpo e bem cheiroso a não ser que a criança se vomite toda novamente e é talvez daí que lhe venha a vontade de escrever sobre ciclos.

 

É que há vezes em que a gente tá muito bem contente da vida a pensar que está um dia bonito de sol sim senhora e depois vem uma criancinha ou um cão e dá-lhe uma caganeira daquelas que sai de esguicho por todo o lado e aí garanto que é uma explosão de cor como nunca se viu igual! É isto, gostava que essas mulheres escrevessem assim, isto é que era mostrar a alma aos leitores que as seguem, dizer preto no branco que a vida é uma merda com todas as letras porque apanharam o marido agarrado à melhor amiga, numa pose que não deixa margem para dúvidas, e isso é o fim do mundo tal como o conhecem! Mas é só naquele momento porque no dia seguinte estão elas agarradas ao marido da melhor amiga ou quem sabe à irmã do seu próprio marido e vingam-se e veem-se e cada vez que têm um orgasmo gritam “filho da p... que me fod... os cornos, agora é a minha vez e quem ri por último ri melhor!” Como podem ver eu até não sou contra o uso de lugares comuns, desde que se perceba o contexto!

 

Talvez o mal seja meu, sou demasiado descritiva assumo-o. Quando a Micaela vai e pega numa brasileira e a leva a dar umas voltas eu imagino logo o que estão a fazer e se me pedirem para contar eu digo tudo, porque sei bem o que ela gosta de fazer às brasileiras e também sei por experiência própria que algumas delas não se fazem rogadas e viram-se do avesso e vão e fazem-nos o mesmo a nós. Só não ponho tudo aqui escarrapachado porque depois vem a Cátia e diz que eu tenho uma mente perversa e em vez de estar aqui a contar as badalhoquices da Micaela com as brasileiras devia mas era estar a procurar ideias que nos pudessem tirar deste buraco onde vivemos. Não estamos propriamente aflitas, lá está, a vida é madrasta mas pelo menos temos um tecto por cima das nossas cabeças e por enquanto ainda se vai vivendo menos mal, muito graças à Zefa e aos seus conhecimentos nos estabelecimentos comerciais aqui da zona. Há sempre um ou outro que nos vai facultando um petisquinho e entre as massagens que a Cátia vai fazendo e o dinheirinho da baixa dá para vivermos, isso dá. Não temos é luxos mas eu não sou pessoa de grandes devaneios.

 

Essas outras mulheres enchem os blogues de fotos de sítios maravilhosos e fantásticos e eu por mim queria era uma barraquita perto da praia de preferência no Brasil porque estou farta deste tempo frio e húmido da serra, isto faz-me mal aos ossos e isso como toda a gente sabe tende a piorar com a idade. Os ciclos da vida são muito bons para quem escreve sobre nada, porque nós aqui na Rinchoa sabemos bem que não há cá ciclos nenhuns, caminhamos todas para velhas e nota-se!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:48

Categorias de pardalecas

por Lucelia, em 29.12.13

 

 

Chegou a altura de falar de coisas mais íntimas até porque estava aqui a navegar na net e vi um texto sobre tipos de pardalecas e achei ora aí está uma coisa sobre a qual me posso pronunciar com conhecimento de causa. A pardaleca é assim um tópico que se evita por causa do pudor e porque as mulheres são todas muito púdicas à primeira vista porque depois de alguma conversa vai-se a ver e algumas são umas grandes malucas, nem todas claro porque há uma categoria que eu nem vou mencionar na minha lista que são as frígidas que são aquelas que não sentem nada nem que seja à força de marteladas.

 

As pardalecas têm donas mas às vezes não têm nada a ver com elas, a gente vai à espera de uma coisa e sai outra completamente diferente e é essa a beleza da coisa, se bem que na grande maioria das vezes a coisa não corre lá muito bem que é o mal de quem gosta de se guiar pelas suas expectativas como eu.

 

  1. As meninas do GPS:  estas são aquelas que precisam de estar sempre a dar indicações porque têm pardalecas muito selectivas que só permitem determinados tipos de toques e não é em todo o lado. Sinceramente estas não fazem o meu género porque depois de estar ali assim a ouvir mais à direita, mais à esquerda, mais para cima, agora mais para baixo intercalado com o ocasional NÃO! POR AÍ NÃO CONA CARALHO! que até parece que a gente acabou de entrar numa rua de sentido proibido, a gente só nos apetece pendurar-lhes uma tabuleta a dizer "faça você mesmo".
  2. As depiladas: estas são aquelas que acham que agora está na moda deixarem a pardaleca toda depenada e normalmente são brasileiras porque arrancar os pelos naquela zona doí prá chuchu e elas é que fazem esses sacrifícios em nome da beleza estética se bem que a mim faz-me impressão ver uma mulher crescida ali sem nada e de repente até sinto falta do ocasional pelito mesmo quando os danadinhos se enfiam pela glote adentro e depois para os tirar de lá é o cabo dos trabalhos. Estas às vezes ficam danadas porque gostam de perguntar o que é que você acha disso amorrr? E a gente como gosta de ser honesta diz eu não acho bem que você tenha sacrificado sua perereca dessa forma e elas ficam muito ofendidas e saem porta fora a dizer que as fufas portuguesas são todas umas mulheres de bigode que não se depilam e cheiram a cebola. E nós ficamos tristes porque de certa forma contribuímos para os mitos sobre a nossa classe que tão enraizados estão na nossa cultura popular.
  3. As farfalhudas: estas estão no lado oposto das depiladas, ou seja são aquelas que acham que o pelame deve crescer forte e saudável e então não lhe dão nem um cortezinho com medo que a sua pardaleca seja como o Sansão e perca o vigor e a força. Estas só me chateiam se aquilo for em demasia, isto é se a gente se sentir como naquele filme dos gorilas na bruma, assim no meio da selva à procura do caminho e às vezes cansamo-nos e desistimos e dizemos às miúdas que não temos espírito de exploradoras o que é uma pena porque destas infelizmente também há muitas e elas ficam chateadas e vão dizer às outras que nós somos umas parvalhonas e não percebemos nada da natureza feminina.
  4. As porcas: estas são uma variação das farfalhudas que felizmente só apanhei uma única vez o que quer dizer que as mulheres portuguesas até são muito higiénicas e ciosas do bem estar das suas pardalecas. Não digo que a pessoa esteja sempre a lavar-se com água de rosas até porque isso pode interferir com o pH da dita cuja que é uma coisa que não se deve alterar nunca porque se não ficamos com uma comichão danada e não é daquelas boas. Mas voltando à minha experiência única nesta categoria foi uma vez que eu e a Cátia nos zangámos e eu estava um bocado desesperada e a Idalete apresentou-me uma amiga dela que era a Irene e eu até lhe achei uma certa piada embora tivesse o cabelo assim todo enrolado numas coisas que eu pensava que eram tranças mas depois a Micaela disse-me que eram rastas. A rapariga realmente tinha um cheiro estranho mas eu decidi dar o benefício da dúvida mas rapidamente me arrependi quando ela começa a despir-se e eu vejo que a pardaleca fazia pandan com o cabelo para além de que cheirava a lixo de três dias e eu disse-lhe logo que não conseguia tocar-lhe nem que tivesse um pau de dois metros. Ela ficou muito chateada e começou a dizer que era ecologista e vivia de acordo com as regras da natureza e que até parece que na altura do Paleolítico havia bidés e ninguém se queixava! E eu pensei que se calhar os hominídeos quando se encontravam e desatavam aos uga bugas se calhar estavam era a dizer olha lá a tua mulher cheira pior que a carne podre daquele mamute que caçamos na semana passada!

 

Haveriam muitas mais categorias para incluir mas agora não tenho tempo porque tenho que ir arrumar as traquitanas no calhambeque para regressarmos à Rinchoa antes que a tia Hermínia volte à carga e me venha aqui aspergir o portátil com água benta que até estou com medo que a máquina não resista a tanta benção!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:35

Começo esta rubrica de coisas giras da net com este artigo sobre perguntas que as pessoas fazem sobre sexo lésbico se bem que confesso que algumas destas nunca tinha ouvido antes, é o que dá a gente morar na Rinchoa que aqui ninguém percebe nada destas coisas e o mais que nos perguntam é porque é que andamos sempre juntas que até parece que fazemos parte dum culto e eu o melhor é nem dizer que criei o Clube Safo porque se não vão pensar que isto é tipo a IURD e ainda nos fazem fila à porta para se virem inscrever.

  1. O que é que duas mulheres fazem na cama? A mocita que escreve o artigo diz que fazem muitas coisas, nós por cá é mais dormir mesmo.
  2. Uma de vocês faz de homem? Esta pergunta é clássica e já escrevi sobre isso. A resposta é não e se continuam a perguntar é porque devem ter fantasias de mulheres mascaradas de homens com pilas do chinês o que digo-vos já que é mais um cena de comédia do que propriamente de filme pornográfico!
  3. É mais fácil duas mulheres porque sabem por instinto o que uma mulher gosta? A resposta é não e não há duas mulheres iguais portanto o que uma gosta a seguinte pode odiar e andar por aí a espalhar que nós somos o pior que lhe aconteceu desde o terramoto de 1969.
  4. Usam sempre dildos? Não, nem todas gostam de andar com uma pila do chinês amarrada à pardaleca até porque aquilo faz uma comichão danada!
  5. Se gostam de mulheres porque é que andam com mulheres que se parecem com homens? Não vou responder a esta pergunta porque as minhas namoradas nunca foram parecidas com homens. Vou deixar esta para mais tarde, tenho que debater este assunto com a namorada da Zefa. A mocita do artigo diz que é por causa das mamas e nesse ponto não deixa de ter uma certa razão.
  6. Se eu quiser dar um beijo a uma mulher isso faz de mim uma lésbica? A mocita diz que não necessariamente mas eu digo que todas as mulheres que eu conheço que já beijaram outra mulher foram e nunca mais voltaram para trás, mas pode acontecer assim num mundo qualquer que não o nosso que um beijo entre duas mulheres corra mal e uma delas queira voltar a beijar homens que cheiram a cerveja, não têm os dentes todos e andam sempre com a barba por fazer, sei lá, há malucas para tudo!
  7. Esta é a sobre o filme das lésbicas francesas que eu ainda não vi por isso não vou responder. Assim que eu tiver oportunidade de sacar, digo de ir ver ao cinema eu depois venho cá falar sobre o filme.
  8. Mas que mania que as pessoas têm de falar de tesouras! Nunca irei perceber porque misturam lésbicas com tesouras até porque é perigoso brincar com objectos cortantes!
  9. O que é o fist… ? Ahem, vou deixar passar esta porque isto é um blog de cultura e coisas lúdicas e assim e não de badalhoquices!
  10. Estás-te a fazer a mim? A mim nunca ninguém me perguntou isto, mas se calhar é comum noutras partes do mundo as mulheres que não são fufas desatarem todas a achar que uma pessoa só porque diz que é lésbica é porque quer levá-las para a cama.
  11. Se eu tiver uma amiga que quer andar com uma mulher como é que lhe digo para fazer? Olhe ela que mande uma ficha de inscrição para o Clube Safo da Rinchoa que eu falo aqui com a Micaela e a gente traça-lhe já um plano de acção que é uma maravilha!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:18


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D


Links

Linques úteis