Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A primeira reunião do Clube Safo

por Lucelia, em 30.11.13

 

Ai minhas senhoras e meus senhores eu hoje venho aqui dizer-vos que estou que nem posso! É que tremelico tanto que nem consigo ver bem as teclas onde carrego é que vos digo mesmo que hoje cravou-se-me uma dor tão funda que é desta que vou de vez para o buraco, deixa cá anotar o sítio antes que ela se me evapore que da última consulta tive muita dificuldade em dizer à médica onde é que ela parava. Mas hoje não! Sinto-a aqui assim bem perto do coração e ele coitado também que está a bater de tal forma descontrolado que eu nem sei se chego viva ao raiar da madrugada!

 

Mas não vou já ligar para o INEM que da última vez levei uma descompostura que aquilo não era assim e que o que eu tinha não era emergência de espécie alguma e sabem lá eles o que uma pessoa sofre! Antes de ligar o 112 tenho que fazer um compasso de espera porque o rapaz disse-me assim olhe a senhora conta até mil, vá até 2 mil e depois se ainda sentir a cabeça mais pesada que o antebraço tome um comprimido, qualquer um serve, e beba muita água e vá ao feicebuque mandar umas mensagens de carinho aos entes queridos que isso às vezes ajuda a gente a pensar que nunca mais vai ver os que mais ama e depois parece que se agarra assim à vida e tudo melhora. Pois não sei se foi do comprimido, da água ou das fotografias dos gatinhos fofos que andei a espalhar pelos murais dos meus entes queridos mas de facto senti-me logo muito melhor e aquilo assim como foi dessa outra vez nunca mais tive. Até hoje!

 

Mas não era nada disto que eu queria contar, eu de manhã até acordei tão bem disposta e queria até vir ao nosso blogue do sapo, coisa mais linda, dizer que era hoje que ia ser a primeira reunião do nosso Clube! Estava tão contente e orgulhosa, tinha tudo tão bem pensado e organizado mas ainda bem que nem disse nada porque ia criar muitas expectativas e parece que aquilo é assim como às moscas, vem umas atrás das outras e antes que a gente se aperceba está no meio dum enxame tal que já só dá para sair dali à pazada! Ai, logo eu, que sou uma pessoa tão respeitada, tão digna, sempre levei uma vida tão regrada, para o que me havia de dar! Se a minha querida mãe ainda fosse viva bem me havia de dizer que era bem feito, que eu sempre tive a mania das grandezas mas ela não percebe que o problema não sou eu, é esta mania das pessoas agora acharem que sabem tudo sobre todas as coisas porque vão assim à internet procurar e depois como cada uma escreve o que lhe apetece lá na caixa das buscas levam todas com resultados diferentes e depois ninguém se entende!

 

E eu que levei tanto tempo a preparar a nossa reunião, como era a primeira até acedi que fosse aqui em casa apesar da minha sala ser das mais pequenas, acolhedora sim, mas não deixa de ser curta para o espaço que eu idealizava. Mas pus assim uns quadrinhos com uns dizeres inspiradores "Faz o bem  e não olhes a quem", "Sempre com um sorriso nos lábios e amor no coração", "Os meus amigos são as estrelas do meu universo", "Sem amor não há luz no mundo". Enfim, frases inspiradoras para abrir o coração das minhas amigas e preparar-nos a todas para um serão de debates sobre os vários temas que eu tinha preparado.

 

Elas foram chegando, mais cedo que o previsto porque ainda estava a acabar de pensar na disposição de lugares que melhor se adaptaria aos debates e já ouvia a Zefa a bufar porque trabalha todo o dia em pé e era só o que mais faltava agora ficar à espera que eu decidisse onde é que ela tinha que se sentar! Mas ainda dentro da calma que eu pretendia lá abri a ordem do dia distribuindo uns formulários às minhas amigas para oficializarem a sua inscrição no nosso Clube. E aí começou o burburinho, porque eu estava a pedir o número do cartão de cidadão na folha e umas porque é que eu não tinha avisado que parece que uma pessoa tem que andar sempre com os documentos para todo o lado! E outras que nem pensar que isso violava o direito à privacidade, que era só o que mais faltava agora desatarem a pôr números pessoais e confidenciais em qualquer folheca de vão de esquina! E outras ainda a dizerem que é por causa destas burocracias que o nosso país está como está! E eu calada mas ofendida claro! Até parece que eu ia pegar assim naquilo e pôr-me a distribuir no meio da rua para que toda a Rinchoa ficasse a saber o quem é quem das fufas daqueles bairros! Mas como queria avançar para os debates lá aceitei que o preenchimento dos formulários fosse opcional e que olha criassem um nique assim que é como o nome que queriam usar quando fossem para as reuniões do clube. Essa parte elas gostaram mas demoraram tanto tempo a pensar se queriam ser Ticha, ou Tucha, ou Kika, ou Amor, ou Néli, ou Suéli, ou sei lá o quê que não percebi metade e da próxima vez tenho que arranjar assim uns autocolantes para elas escreverem os niques à entrada e pespegarem ao peito para ver se não perdemos tanto tempo!

 

Ora então o primeiro tema do dia era a literatura e sendo um Clube agora oficial eu achei que podíamos entre todas escolher um livro para lermos e depois na próxima reunião debatíamos e cada uma falava da forma em como o livro tinha enriquecido a sua vida e aquecido a sua alma e já ouvia a Zefa a grunhir que só se o livro fosse parar dentro da lareira e a Idalete a rir-se que aquela também acha sempre uma piadinha a tudo! Para tentar manter a ordem resolvi perguntar a cada uma que livro recomendariam e aí é que vi que isto tudo foi uma péssima ideia e sinceramente não sei se este Clube tem pernas para andar! Uma até me perguntou se a revista Maria contava! Que aquilo era literatura sim senhora porque até tinha contos e tinha assim o horóscopo e receitas de culinária e note-se, sim é preciso realçar, que tem uma secção só sobre dúvidas LGBT que até há assim uma senhora doutora especializada em fufas que depois responde às nossas dúvidas e acerta sempre! A Zefa dizia que só lia se pudesse ser a Bola, a Rosalina dizia que a mãe não a deixava ler nada a não ser a Bíblia e então se pudesse ser ela agradecia porque até tinha umas poucas em casa que podia emprestar às outras. A Idalte enfim, nunca foi boa de leituras nem na escola que a professora sempre disse à mãe dela que olhe a sua filha nunca irá muito longe mas é boa menina e amiga das outras e nem ela sabia o quanto, só eu e mais umas três que a quarta tivemos que a subornar durante toda a primária para que não abrisse a boca à professora nem aos pais do que tinha visto uma vez que a Idalete se pisgou para a casa de banho com outra e esqueceram-se de fechar a porta!

 

A Maria Antónia é que se lembrou que tinha o livro novo da Ana Zanatti que parece que é assim sobre o Amor e essas coisas e se calhar era boa ideia mas as outras não gostaram porque ninguém queria ir comprar o livro mesmo usando o truque de comprar, ler e devolver pedindo o dinheiro de volta que eu ás vezes faço mas a menina lá do serviço de apoio acho que já me conhece porque já lá fui várias vezes dizer que tinha lido o primeiro capítulo dum livro e não tinha gostado nada e queria o meu dinheiro de volta que se é para pagar que seja em coisas de jeito! Se quiser manter a leitura em dia o melhor é passar a ir a outras lojas que ali ela qualquer dia diz-me que se calhar o problema não são os primeiros capítulos dos livros mas sim eu própria que devo achar que sei muito de literatura e não gosto de nada! Ficámos então de pensar numa forma de todas lermos o livro da Ana Zanatti sem termos que o comprar e a Maria Antónia a rir-se porque ela ao menos já o tinha em casa e as outras todas danadas porque deviam ter pensado num livro que também tivessem em casa em vez de estarem a pensar em porcarias de revistas e de jornais!

 

Posto isto passámos ao segundo tema que era o cinema e aí foi quando tudo descambou e se eu soubesse nem tinha dito nada mas é que eu disse que a Tininha me tinha arranjado um filme que era assim passado em Veneza e que eu queria muito ver mas o ficheiro não se me abria e só tinha conseguido ver um bocadinho no youtube e queria saber se alguma delas o tinha. Era o filme O Turista com a Angelina e vai daí a Idalete diz que Angelina só conhecia a pardaleca farfalhuda da Zefa e eu só vejo a outra a ficar azul e depois verde e por fim vermelha e salta-me para cima da Idalete ó minha grande filha da isto e daquilo e a Rosalina só se benzia e as outras a tentarem tirar a Zefa de cima da Idalete e depois começo a ver coisas a voar, lápis, papéis e canetas, e ganchos a saltar, e perucas de várias tonalidades, e foi um ver se te havias para acalmar aquela gente e a Salomé aos gritos a dizer que chamava a polícia e os bombeiros e as restantes forças militares!

 

E com isto dei por concluída a primeira reunião do Clube pois que não estavam reunidas as condições mínimas de integridade para continuarmos todas no mesmo espaço! E agora estou aqui triste, sim confesso, estou desanimada! Nem consegui chegar ao tema das coisas engraçadas na net que eu até tinha uns linques catitas para partilhar e agora foi-se tudo pelos ares!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:45

Mitos das fufas – a promiscuidade

por Lucelia, em 28.11.13

 

 

Antigamente achava-se que as lésbicas eram aquelas mulheres que se andavam a esfregar umas todas nas outras sempre que tinham oportunidade e iam à casa de banho todas juntas. Afinal se demoravam lá tanto tempo dava para se vestirem e despirem umas quatro ou cinco vezes e nos entremeios encaixarem uns joguinhos entre elas. Depois vinham uns assim da moral e dos bons costumes dizer que elas eram todas umas porcas e umas devassas e que deviam ir várias vezes à igreja benzer-se muito para ver se aquilo passava. E a gente nem tugia nem mugia mas sempre que surgia alguma ameaça logo nos descartávamos que nem pensar não senhora que nós somos raparigas sérias e não como essas promíscuas que tanto se esfregam que até parece que têm sarna!

 

Mas agora que já estamos nos tempos modernos já podemos falar nisto abertamente e deitar por terra esse mito da fantasia masculina que é a lésbica oferecida. Pois nós não somos nada disso, pelo menos aqui as da Rinchoa, que se pensam que temos uma vida assim interessante e colorida cá vai o relado dum diazinho assim normal duma lésbica de meia-idade para verem onde é que entram os esfreganços que da última vez que parei para pensar já nem me lembro de quando foi!

 

Eu em geral acordo cedo, não porque tenha que estar em algum lado a uma hora fixa mas porque o corpo assim a modos que pede algum tipo de actividade mas nada de muito violento que os meus despertares são assim vagarosos. Pois tomo o meu cházinho com torradas, variando entre a manteiga e o doce conforme o orçamento mensal, e depois de um duche matinal que neste tempo não dura mais que uns minutos porque há-que poupar na água e no gás, vou dar as minhas voltinhas da praxe. Vou fazer os meus pagamentos ao banco que eles lá são tão simpáticos comigo e é sempre bom começar a manhã rodeada de sorrisos! Depois vou à mercearia do bairro e é só por respeito à memória da minha mãe que fico ali um pedacito sentada à beira da que foi sua melhor amiga, a D. Júlia, que nos dias melhores ainda me trata por menina e me passa para as mãos um saquinho com bolachas.

 

Depois vou ao talho pedir ao Sr. Fernando para me dar umas lascas de perú, sim que isto hoje em dia a carne está pela hora da morte, e mesmo assim tenho que insistir que me ponha das partes mais tenras porque ainda aqui à dias me parece que pôs para lá um bocado de osso que me ia partindo um dente. Eu gosto do Sr. Fernando porque é dos poucos aqui do bairro que ainda vende fiado mas ele já me disse no outro dia que essa modalidade de pagamento estava por um fio porque as finanças depois querem que ele lhes mostre a relação dos activos com os passivos, mas confesso que esta parte não percebi muito bem que eu nunca fui boa de contas. Fiquei foi um bocado aflita porque o fiado dava-me jeito porque assim pago-lhe sempre no dia em que vou levantar o dinheiro da baixa aos correios.

 

Depois das voltinhas matinais e já com uma certa larica volto para casa onde preparo o meu almoço e já chegámos ao meio do dia e ainda nem um bocadinho de pele à mostra, se não contarmos com a maluca da Idalete que de vez em quando se lembra de deixar a janela da casa de banho aberta só que aquilo foi mal pensado e vê-se tudinho sempre que ela entra e sai do poliban que é uma vergonha e ela até sabe mas diz que não se importa porque sempre alegra as vistas de quem passa e eu cá acho que a Idalete deve ter um problema qualquer no espelho porque isso era dantes, sim senhora confirmo que ela era uma miúda espigadota mas bonita e bem jeitosa! Se ela visse o ar de quem vai na rua distraído e depois de repente vê a Idalete em todo o seu esplendor, com aquilo assim o peito todo descaído que a idade com ela foi muito madrasta, e pasmos ficam pois mas é de puro terror!

 

Depois então de lavar as minhas loiças e deixar tudo arrumado começo a pensar onde vou passar a minha tarde que nesta altura do ano tem muito a ver com as que ainda se podem dar ao luxo de ligar os radiadores e pagar as contas de electricidade, uma vez que eu já não posso porque depois tinha que escolher entre o pacote da tv net e telefone ou ter a casa sempre quente e eu até dispensava coisas do pacote mas um dia liguei para o atendimento comercial e eles disseram que não que aquilo era tudo indissociável que às vezes parece que usam palavras caras só para nos baralhar. Sim porque eu até me expliquei bem e disse que a tv nem queria, tirando um ou outro canal só porque às vezes me dá vontade de ver uma ou outra novela. Para que preciso eu de cento e tal canais? perguntei eu ao rapaz mas a isso ele já não me soube responder e perguntou-me só se estava interessada em aderir ao 24h na cozinha e eu até parece que tá parvo, eu que vivo sozinha à tanto tempo agora ia-me pôr aqui a ver programas de culinária de manhã, de tarde e de noite!

 

A net é que me dá um jeito danado e isso eu não abdico porque as series e o youtube e o feicebuque e o skype e isso tudo e ter a Tininha aqui sentada ao meu lado de vez em quando, mas tudo no maior dos respeitos porque ela  é como se fosse minha sobrinha! E o telefone vá que o rapaz lá me disse que era de borla porque vinha assim no pacote e eu quase não uso mas como vivo sozinha se um dia se acaba a bateria do telemóvel que ele não anda assim muito certo eu preciso do telefone para estar contactável.

 

Depois de escolher quem me vai aquecer, mas não da forma dessa que estais a pensar, lá vou eu, e com sorte levo o pacotinho das bolachas que a D. Júlia me deu e se a Salomé não estiver em casa é uma chatice porque essa mora mesmo aqui ao lado e com este frio não me apetece estar a enrolar-me em casacos! Damos dois dedos de conversa, às vezes vemos uma série, e o que é bom mesmo é quando ela tem lá daqueles liquores da terra, ui com este frio o que aquilo escorrega bem! É mais uma vantagem de escolher a Salomé porque uma vez apanhei uma tosga com um licor de ameixa em casa da Zefa que mora mesmo na fronteira entre a Rinchoa e a Tapada das Mercês e depois foi um ver-se-te havias para chegar até casa porque há ali assim umas zonas muito escuras e o meu telemóvel não tem aquilo do gê-pê-ésse.

 

E a Salomé gosta muito de conversar e conta-me sempre tudo o que se passa no bairro o que é uma vantagem porque assim eu sei sempre quem anda danada com quem e não meto o pé na argola como daquela vez em que a Zefa apanhou a namorada enrolada com a brasileira do restaurante do Sr. Vitor e eu que não sabia de nada fui-lhe perguntar se ela estava danada porque lá os do Rouxinol lhe tinham dito que a data que ela queria para a festa de casamento já estava ocupada e se vissem os modos com que ela me olhou! E eu sem perceber nada até que a Rosalina me puxou assim de lado e me disse que o casório estava vai não vai para voar pela janela junto com a namorada e a brasileira e eu fula da vida e porque é que ninguém me disse nada e sou sempre a última a saber destas coisas?  É o que eu digo, todas têm telemóvel e telefone fixo em casa, já para não falar dos computadores sempre ligados no feicebuque mas mandarem-me uma mensagenzinha a avisar é que nada! Da próxima vão ver, quando souber de alguma coisa não lhes conto nada e quem se vai ficar a rir sou eu!

 

Mas isso como eu dizia, os licores e as conversetas é nos dias bons, porque  nos outros passo a tarde entretida a ver séries e a ver assim as coisas que as minhas amigas publicam na net e de resto são assim muito desinteressantezinhos os meus dias, mesmo quando tenho que ir ao centro de saúde por causa das extensões da baixa, mesmo nesses dias não me recordo nada de ver assim cenas de esfreganço que pudessem ser consideradas promíscuas! Ah mas gostava de ter visto a namorada da Zefa em cima da brasileira, isso sim é um belo pedaço de mulher! Com essa até eu me enrolava se ela me quissesse!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:11

Pára tudo!

por Lucelia, em 28.11.13

 

 

Esqueci-me que é quase Natal! Só quando fui agora ao meu feicebuque e comecei a ver umas amigas assim a dizer que para o Natal querem isto e aquilo e tá tudo numa coisa que agora se chama uixilisti e a Nilda até me pôs um link para o folheto de promoções do LIDL! E depois umas primas minhas querem que eu vá com elas ver a sua mãe minha tia lá à santa terrinha e eu até sei bem porque é porque como o meu irmão emigrou para parte incerta fui eu que herdei a oficina do meu pai mais os calhambeques que tá tudo velho mas alguns ainda pegam, nem que seja de empurrão!

 

E as músicas que me lá puseram!! É de bradar aos céus!! É que parece que de repente aparvalharam todos e a Idalete é que deve estar contente porque ela é assim meio, enfim! Agora tem companhia para as bolas e as luzes e as fitas e aquilo tudo a piscar que uma pessoa vê uma vez e até acha que é bonito sim senhora, mas levar com aquilo durante um mês inteirinho leva uma pessoa a pensar que o melhor é não ir mais ao feice até ao final do ano mas depois como é que a gente se entretém?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 15:05

 

Enquanto andamos para aqui a discutir para que serve o nosso clube eu vou metendo umas buchas sobre certas manias que me enervam um bom bocado e que elas estão sempre a dizer que eu é que sou assim que tenho manias de perfeição mas é mentira porque eu tenho dois olhos na cara e sei bem ver as coisas como são.

 

Uma das manias que mais me tiram do sério é aquela de acharem que toda a gente lhes quer mal, a começar pelas benditas das freiras lá dos colégios onde andaram na mais tenra infância. Ora eu que nunca andei num colégio de freiras não percebo esta mania de acharem que o mundo está contra elas e deve ser por isso que não ganham o euromilhões porque se tivessem lido o Segredo percebiam logo que o que cá se faz cá se paga! Pois se uma pessoa entra num estabelecimento comercial logo com ar de poucos amigos a achar que vai ser enganada e tem que conferir o troco pelo menos umas três vezes e ainda pedir factura com número de contribuiente para obrigar o pobre do indiano ali da esquina a ter que instalar as traquitanadas todas que as finanças agora exigem, pois claro que assim não arranjam amigos, muito pelo contrário!

 

A Zefa que é assim aquela mais directa começa logo por dizer que mais vale prevenir que remediar e então com ela é sempre tudo à bruta! É que não dá sequer hipótese que ao mínimo sorriso acha logo que se estão a meter com ela e começa logo a disparatar e ós ouça lá! Para onde é que está a olhar? Nunca viu uma fufa é?

 

Enfim, eu bem lhes digo que a pessoa tem que ser discreta e simpática e eu bem sei o que passei na vida e não precisei das freiras para perceber que a maldade reside em todo o lado, mesmo nos mais insuspeitos. Os meus pais eram pessoas modestas, ele mecânico e ela dona de casa mas que ia dando um jeito por fora sempre que lá iam as vizinhas levar trapos e roupas para fazer bainhas. Com muito esforço tiveram o casalinho da praxe e durante algum tempo parecíamos mesmo uma família de novela, se bem que o meu irmão chorava muito mais do que eu e muito mais depressa se agarrava às saias da minha mãe. Eu era enfezadita, isto foi antes das crianças desatarem a tomar vitaminas e suplementos a torto e a direito, mas quem me dava levava, nunca me fiquei, mesmo quando o Toninho que era uns bons 20 cm mais alto que eu me deu um encontrão tão grande que por pouco não fiquei sem um braço. E ele ficou-se a rir o palhaço, mas não por muito tempo porque eu agarrei num tronco e dei-lhe uma canelada tão grande que ainda hoje me parece que ele coxeia ligeiramente!

 

Os meus pais deviam ter logo percebido que havia ali qualquer coisa estranha, mas eram gente simples e na altura não se prestava muita atenção às crianças. O meu irmão Fabrício só se dava com meninas e eu com rapazes. Era eu que acompanhava o meu pai nas tardes de férias, que ia com ele para a oficina e o ajudava a afinar os motores dos carros. O meu irmão ficava verde só de pensar naquele óleo a escorrer por todo o lado e a sujar-lhe os calções axadrezados de que ele tanto gostava. Mas só muito mais tarde é que os meus pais perceberam o que se passava quando o meu irmão resolveu contar-lhes que era homossexual desde sempre e que se quisessem netos que os fossem pedir a mim! Foi aí que eu resolvi calar-me bem caladinha porque assim como assim o choque inicial estava dado e quando fosse a minha vez de me chegar à frente, sim porque eu também desde sempre soube que era lésbica, eles já iam estar habituados à ideia de em vez de netos terem gatos.

 

Com tudo isto eu podia ter ficado assim como algumas, de mal com a vida e com o mundo, mas não fiquei porque ninguém tem culpa do meu irmão ser parvo! Não por ser homossexual, isso é lá com ele, mas pela forma como disse aos meus pais que a culpada era a mãe e que agora ia para fora e que se amanhassem cá sozinhos que ele ia viver a vida dele bem longe de nós. Está uma pessoa a criar um filho uma vida inteira para chegar a isto! É o que eu digo, somos irmãos e lá nos falamos no skype quando ele faz anos, ou eu, e às vezes no Natal mas nem sempre que as linhas ficam congestionadas e depois vê-se a pessoa toda aos quadradinhos e parece que só nos chegam cá metade das palavras! Eu da primeira vez ainda reclamei mas o rapaz do atendimento lá me disse que nesta altura do ano os técnicos eram poucos para tanto serviço mas que eu ficasse descansada porque me iam mandar alguém a casa. Até hoje! E eu claro, não voltei a ligar porque entretanto recebi a factura e percebi que as chamadas para o atendimento são pagas!

 

Com tudo isto os meus pais até se podiam ter revoltado contra mim, mas acho que nessa altura já estavam por tudo e eu até era boa filha, fazia-lhes companhia e nunca lá meti desordeiros em casa! Só não gostava das visitas que o padre fazia à minha mãe, ia lá consolá-la pela perda do filho, mas aproveitava sempre para lhe pedir uma ajudinha para as obras do telhado da igreja! Não sendo má pessoa, o padre naturalmente não gostava de mim porque desde muito cedo deixei de ir à igreja. E olhem que na altura isso era muito mal visto! E é isso que eu digo às minhas amigas, vocês até parece que agora vivem pior que dantes! É que há uns anos ser-se fufa era logo para pôr uma pessoa a olhar para nós com ar horrorizado! Agora não! Agora uma pessoa diz que marido não senhora não tenho porque sou lésbica e dizem-nos logo ahh que interessante e tem mulher em vista? E está a pensar casar-se? Casar ouviram bem! Alguma vez na minha vida eu ia pensar que as lésbicas se podiam assim casar umas com as outras! Já não bastava as cerimónias dos anéis de compromisso que era assim tudo feito às escondidas em vãos de escada e eu lembro-me até duma vez que a Zefa ficou trancada dias a fio porque tinha combinado com uma namorada da altura ir ter com ela e a outra atrasou-se e vai a contínua e fecha aquilo assim tudo à chave e a Zefa bem que gritou e esperneou e quando finalmente deram por ela jurou-me que nunca mais se metia noutra e até a Zefa, imaginem, está a pensar casar-se e desta vez vai ser ali no Rouxinol e tudo porque a mãe dela já está meio patareca mas gosta de festas e anda de tal forma animada que ninguém tem coragem de lhe dizer que aquilo é uma festa de casamento entre duas mulheres.

 

Por isso é que eu digo, hoje está tudo tão diferente que só as fufas é que parece que pararam no tempo e continuam a achar que o mundo se uniu para as tramar. Olha na próxima reunião do clube vamos debater o tema porque acho que elas precisam de arejar as ideias, entrar no século XXI assim para a frente é que é o caminho e as coisas estão-se a compor!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:55

O primeiro jantar do Clube

por Lucelia, em 28.11.13



Foi o primeiro e bem poderá ter sido o último dado o descalabro que se gerou no restaurante do Sr. Vitor, tão simpático que foi coitado e depois de tudo ainda acho que metade das safistas se pirou sem ter pago!

 

Mas voltemos ao início porque ainda agora comecei e já se me estão a dar os calores e não é da idade que eu estou muito benzinho para uma senhora que já passou dos cinquenta! No outro dia estava eu então a navegar na internet e em sites internacionais porque eu fui das que aproveitei os cursos de inglês lá da junta, embora tenha que ressalvar que sempre que a Tininha cá vem a casa dar um jeito eu peço-lhe para me descarregar legendas das coisas porque há assim frases que eu depois não entendo o que me chateia brutalmente, quase ao ponto de ligar para os senhores da ZON a reclamar mas depois lembro-me que aquilo que estou a ver no youtube não passa na televisão e não vou passar outra vergonha como daquela vez que o rapazito que nem vinte anos devia ter me disse que o que eu fazia não era uma utilização responsável e que se continuasse a importuná-lo ele ia fazer queixa de mim à polícia! Logo eu, uma pessoa do mais séria que há!


Bom, mas estava eu a ver assim coisas na internet e vi que havia uns clubes, uns de mães, uns de pessoas que sabem fazer assim artesanatos como colares e cachecóis, outros de pessoas que cozinham coisas e depois dizem que a receita fica melhor com mais salsa e a outra vai e diz que não que isso tira-lhe logo o realce e uma pessoa fica triste porque abre o frigorífico e nada, é um vazio que até dói a alma e só me apetece ligar à Tininha e pedir-lhe que vá ali ao Zé das Bifanas ver se me avia uma ou duas, não mais que depois o molho dele faz-me azia!


Então pensei cá para mim que devia organizar um clube, pois se eu tenho tanto tempo livre, agora que estou neste impasse entre uma baixa prolongada por dores em parte incerta mas que me deixavam caídinha de todo e a pré-reforma que há-de chegar não tarda porque com a minha idade já não consigo mesmo de todo aturar criancinhas, mas isso fica para mais tarde se não nunca mais acabo este relato! Meu dito meu feito falei aqui com a minha vizinha Salomé, a dos gatos, que achou uma excelente ideia até porque ela também andava a precisar de arejar que isto duma pessoa ser assim de meia-idade e não ter família só nos empurra é para coisas que não interessam nada a ninguém!


Pensámos logo em mais duas ou três amigas das daqui do bairro que sabíamos que não iriam dizer que não a uma jantarada! A Idalete claro, a Maria Antónia, a Rosalina, a Zefa, Nilda, a Micaela talvez, essa nunca se sabe onde anda com a cabeça para não falar da língua que eu até já lhe disse que ela um dia ainda ia presa porque mesmo as brasileiras que são todas oferecidas mesmo essas têm direitos e qualquer dia fazem queixa e ela vai dentro! Quando lhe disse ela e eu ralada porque parece que anda aí uma série mas eu ainda não vi porque preciso que a Tininha me vá desenrascar, e nessa série elas estão assim todas vestidas de laranja numa prisão e andam assim todas aos beijos e aos enrolanços e eu disse-lhe que até parece que nas Mónicas elas são assim como na tv! Enfim, Micaelisses à parte assim de repente já eramos uma boa dezena de fufas de meia-idade e fiquei eu incumbida de ir falar com o Sr. Vitor para ver se nos arranjava uma refeição a um preço simpático porque fufa que se preze gosta de enfardar mas para pagar é sempre um ver se te havias! E era aqui que eu me devia ter lembrado de lhes ter pedido o dinheiro à cabeça porque eu até gosto do restaurante do Sr. Vitor e agora já lá não irei nunca mais.


É o que dá a gente ter ideias peregrinas mas voltando ao jantar, primeiro houve uma confusão danada em darem com o sítio porque eu pensei que tinha ficado bem explícito que aquilo se chamava a “Estrela do Demo” mas uma vai-me à procura duma Estrela do Dente, outra duma Estrela do Dedo, outra duma Estrela do Dildo (esta foi a Idalete coitada, ela é assim um bocadinho enfim!), uma confusão que às tantas já passavam das dez da noite, eu e a Salomé ali ao frio a bater o dente e com uma fomeca danada e as outras nada de aparecerem! Foi preciso gastar o saldo todo do meu telemóvel e mais um outro tanto da Salomé que ainda por cima ficou furiosa comigo porque as outras não eram da mesma rede e ela queria era comer e antes sequer de entrar no restaurante já estava a ter prejuízo!


Horas depois, sim leram bem, horas depois do combinado lá estavam as fufas todas à entrada do restaurante. Eu já com o estômago colado às costas ainda tive que voltar atrás porque a Rosalina que tem a mania que é beata se recusava a entrar num sítio que dizia que era do demo! Lá rezámos umas avé-marias para a deixar mais descansada e vejo o grupo todo prestes a começar à batatada! Ainda vinha a metros da mesa e já as ouvia todas aos gritos e a cara do Sr. Vitor a variar entre o vermelho e o verde, e os outros clientes claro a mandarem-nas calar que ali era um sítio de gente de bem e não se podia estar com aquela algazarra. Minhas senhoras o que se passa? perguntei eu, a pensar que se calhar não viram pão na mesa, mas não fosse por isso que eu pedia já ao Sr. Vitor para nos aviar!


Ora tanta comoção devia-se tão somente ao lugar onde cada uma se iria sentar! É que umas achavam que deveríamos sentar-nos por idade, as mais velhas mais perto da casa de banho, outras por odem alfabética, e até a Idalete opinava e dizia que nos queria dispôr pelo tamanho do peito, valha-nos! Ora foi aí que se me deu uma fúria porque eu e a Salomé estávamos ali à horas! Fui eu que me sentei primeiro e com um berro a cada uma mandei-as sentar onde bem me apeteceu porque a paciência duma fulana tem limites bem delineados! Ainda houve uma ou outra que quis levantar cabelo porque ah e tal eu não queria ficar ao pé da Rosalina porque ela reza enquanto come e às vezes caem-lhe pedaços de comida da boca, e eu olha azar, tivessem chegado mais cedo que cada uma se sentava onde queria!


Finalmente todas sentadas e a dar-lhe na sangria, começa um novo filme, e eu que já vi tantos na minha vida e a pensar que podia estar sossegadinha na minha sala quentinha a ver a última novidade dos baixaki.com, desta vez para escolher a comida. Pois áquela hora o que esperavam? Claro que os pratos bons já tinham esgotado, as migas voaram, as sardinhas nem vê-las, grelhados só salsichas e tenho que ver quantas há, as batatas estão quase no fim, posso é fritar as cascas dizia o Sr. Vitor meio aflito. Basicamente só restavam pratos de forno que é como quem diz empadão e lasanha mas daquela que se percebe bem que não é de carne de vaca, que isso era dantes que agora com a crise a gente come imitações todos os dias e ainda dá graças aos supermercados low cost que nos trazem estas maravilhas culinárias!


Seguiram empadão e lasanha para todas porque o pão também já ia escasseando e tanta mulher de meia-idade a beber sem nada no bucho ainda ia dar mau resultado. Mas também depois de um copito ou dois que isto é tudo fulanas que não estão habituadas a beber já marcha tudo e algumas que eu não vou dizer os nomes até agradecem porque andam a adiar as visitas ao dentista e antes comerem comidinha passada que perder os poucos dentes que lhes restam! Ai se eu me pusesse aqui a contar os podres! Os meus não! Que eu posso ser remediada mas nunca deixei de prezar a minha belíssima dentadura. Copo puxa copo, o empadão e a lasanha foram bem recebidos, o Sr. Vitor lá sabe o que faz, a salada voltou toda para trás porque aqui ninguém gosta de coisas frescas e verdejantes, excepto talvez a Micaela que ainda tive que a agarrar mais do que uma vez porque esta mulher não pode ver brasileiras! A moça que nos servia coitada, bem percebeu o que a outra se babava. E com cada golo de sangria, mais se aventurava!


Depois de tudo ainda queriam sobremesas! E aí fui eu que me zanguei a sério com todas elas porque já tinha sido um filme ter convencido o Sr. Vitor a servir-nos sangria à descrição pelos 5 euros que elas queriam pagar! Pois neste jantar não ia haver sobremesa para ninguém e o café que o bebessem em casa que eu já estava fartinha de as aturar e fula da vida comigo e quem me manda a mim ter ideias parvas! É o que dá a gente por-se a ver aquelas séries assim de lésbicas em Los Angeles e sítios assim finos e ricos e depois pensa que pode fazer o mesmo nem que seja com um bocadinho menos de glamour no Estrela do Demo da Rinchoa! Alguma vez uma Jennifer se ia pôr a reclamar com o Sr. Vitor por não ter o multibanco a funcionar! Ah e tal porque me esqueci dos óculos em casa e não vi o letreiro em letras garrafais pespegado na porta de entrada a dizer “Não há Multibanco”! E alguma vez uma Alison iria à socapa pedir uma factura pelo valor total do jantar! E com número de contribuinte! Eu a ver a minha vida a andar para trás e o Sr. Vitor pois claro a querer receber o pouco que lhe era devido que com a quantidade de sangria que elas tinham emborcado esta noite já era só prejuízo!


Juntamo-nos todas e tivemos que despejar tudo o que tinhamos nas malas e bolsos e deixámos o Sr. Vitor à beira duma apoplexia a olhar para um enorme monte de moedas que espero eu tenham sido suficientes para pagar uma parte deste que foi o nosso primeiro jantar do Clube Safo da Rinchoa!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:06


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D


Links

Linques úteis